Reflexões à Beira do Caos

1
12174

por Lama Padma Samten (*)

Idealmente, se o isolamento de cada pessoa fosse possível, a pandemia se transformaria imediatamente em um mosaico de surtos localizados que, tratados, se resolveriam em poucas semanas, essencialmente pela própria capacidade imunológica dos afetados. O impacto humano seria mínimo, o impacto social e econômico também.

No outro extremo, o não isolamento leva a ampliação geométrica do número de pessoas contaminadas que, em pouco tempo alcança a população como um todo. 200 milhões de brasileiros contaminados geram 20 milhões de pessoas hospitalizadas (10%) e 4 a 8 milhões de óbitos diretos (2 a 4%). O impacto econômico se torna gigantesco, o impacto humano e organizacional é comparável a uma grande guerra e, com certeza será sucedido por uma profunda reorganização política e social.

O isolamento estrito, no nível que for possível é certamente a única opção e foi finalmente compreendido por todos. Temos exemplos claros de como a demora nesse reconhecimento leva ao caos.

“Todas as tradições espirituais apontam para a verdade da natureza profunda em nós, lúcida e luminosa, que não flutua, que não é afetada pelo tempo, está além das identidades e de vida-e-morte.”

Estamos vivendo exemplos claros dos ensinamentos dos mestres de todos os tempos e linhagens desde o Buda. A impermanência é visível e atinge todas as manifestações das nossas vidas. Todas as tradições espirituais apontam para a verdade da natureza profunda em nós, lúcida e luminosa, que não flutua, que não é afetada pelo tempo, está além das identidades e de vida-e-morte. Nossa fonte verdadeira paira além do conteúdo das aparências. A desconexão com essa natureza é a fonte verdadeira da nossa aflição. Dessa desconexão surgem as bolhas de realidade, a destruição ambiental, a disparidade social, étnica e econômica, a violência, a drogadição. Surge a política do ódio e exclusão. Quando o que pensamos como progresso afeta a própria vida, este é o tempo em que o futuro dos jovens se torna nebuloso, sombrio, impreciso.

Estamos aprendendo a meditar e a pensar em conjunto. A vida está a se reinventar.
O paradigma econômico se revela incapaz de lidar com as circunstâncias. Com as atividades econômicas se reduzindo os entes financeiros se transformam em pedintes. As pessoas, os governos, as organizações lúcidas e empresas compassivas abandonam as prioridades antigas e as substituem pela solidariedade, criatividade, compaixão e visão ampla. 

Ainda que as escolas e universidades tenham fechado, e os templos, seguimos aprendendo como nunca, e ficamos mais inteligentes. Essa energia logo se transferirá para a construção de uma civilização sustentável e equilibrada. Nada será como antes.


FONTE: (*) Texto originalmente publicado no dia 27/03/2020 na coluna Opinião da GAUCHAZH.

1 COMENTÁRIO

  1. Muito bom o texto, como mostrar para o bloco zero que a vida lúcida é uma vida realmente vivida e, não uma perda de tempo. a inversão de valores nos faz pensar que a lucidez é perca de tempo e que se isolar na busca de nossos desejo é a verdadeira fruição…

    Muito grato por tudo Lama Samten

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui