Declínio de insetos na Alemanha é ‘assustador’, alertam cientistas

1
439
Pixabay/Macrotiff

(Por Euronews)

Uma equipe de pesquisa internacional liderada por cientistas da Universidade Técnica de Munique (TUM) coletou mais de um milhão de insetos entre 2008 e 2017 em 300 locais nos estados alemães de Brandemburgo, Turíngia e Baden-Wurttemberg.

Os resultados, publicados na revista Nature na quarta-feira, mostram que muitas das quase 2.700 espécies de insetos caíram mais de um terço em dez anos.

“Nos últimos anos, certas espécies raras não eram mais encontradas em algumas das regiões estudadas”, afirmou a TUM em comunicado .

A biomassa de insetos na floresta estudada pelos cientistas diminuiu aproximadamente 40% desde 2008 e a situação é “ainda mais alarmante” nas pastagens, onde diminuiu para apenas um terço do seu nível anterior.

“Um declínio dessa escala ao longo de um período de 10 anos foi uma surpresa completa para nós – é assustador, mas se encaixa na imagem apresentada em um número crescente de estudos”, disse Wolfgang Weisser, co-iniciador do projeto.

Nenhum tipo de floresta ou pastagem – de pastos de ovelhas a prados regularmente cortados e fertilizados a florestas não utilizadas e áreas protegidas – foi poupado do declínio. No entanto, as maiores perdas foram registradas em campos cercados por terras intensivamente cultivadas.

Os cientistas identificaram espécies incapazes de viajar tão longe quanto as mais impactadas.

“Para decidir se é uma questão de as espécies que habitam as florestas mais móveis terem mais contato com a agricultura ou se tem algo a ver com as condições de vida nas florestas, serão necessários mais estudos”, Martin Gossner, ex-pesquisador da TUM , adicionado.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente , os insetos, que compõem cerca de metade de todos os organismos vivos conhecidos, são cruciais para os ecossistemas, porque desempenham papéis importantes na polinização e ciclagem de nutrientes, bem como nas cadeias alimentares de aves e outros insetívoros.

Ele atribuiu a perda de habitat por conversão à agricultura intensiva como o principal fator dos declínios. O uso de poluentes agroquímicos e as mudanças climáticas são causas adicionais, afirmou, pedindo “repensar as práticas agrícolas atuais, em particular, uma redução séria no uso de pesticidas”.

 
Fonte: Euronews
 

1 COMENTÁRIO

  1. […] Bolsonaro, um militar da reserva de extrema direita que na campanha eleitoral combateu a defesa do meio ambiente, segue nessa linha desde que assumiu o poder, em 1º de janeiro. Desistiu de abandonar o Acordo de Paris contra a mudança climática (porque foi advertido de que isso afetaria as exportações para a Europa), mas tomou uma série de decisões de reorganização ministerial e nomeações, entre outras, que causam profunda preocupação no mundo ambientalista brasileiro. E também no estrangeiro. Nada menos que 600 cientistas europeus pediram na semana passada que a União Europeia aproveite as negociações comerciais com o Brasil para pressionar o presidente e reforçar a luta contra o desmatamento. […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui